Meus Textos  Indicações

como os demais

Não promovo uma cultura insustentável (eu acho), tão pouco absoluta (tento);
Não conto a soberba seu estopim (pondero);
Não entrego-me a tramoias e transtornos (enfrento);
Não há refil para coragem sem verdade (constato);
Não escalo o pavor ao invés do amor (percebo);
Não edito o caráter análogo a vida (conservo);
Não abafo a estupidez sem tratá-la (encaro);
Eu beiro a astúcia é no silvo da pausa (concluo)
E a reforço no remanso dos sábios (escrevo).
márcia japiassú 

    Olá, prazer. Sou corresponsável!


    É direito seu manter-se distante e é seu dever manter o respeito. Se não assina em baixo, não cancele quem não conhece; não se faça de entendido sobre um desconhecido. Com o desafeto que assinala seu boato você mostra um pouco da sua postura, mas, ao se afastar sem difamar o próximo você mostra seu pensamento. Há um abismo imenso entre ouvir falar e escutar a pessoa? Sim, na primeira tem escadas e lacunas / na segunda estão as pontes que nos ligam sem os muros que nos limitam. Falo de relação e preciso dizer que é na comunicação que nos alinhamos e aninhamos igual; é nela que alçamos nossas referências e gostos e é por ela que espelhamos opiniões e ideais. Aprendi na marra que dentro de todo cancelamento há uma "cela" ajustada sobre quem cancela e cancelado é, minando a liberdade de ambos ou prejudicando apenas o acusado – aí habita o perigo e abriga a exclusão  (eu sei). Por isto... Em um tempo cheio de vazios, nada melhor do que compartilharmos palavras (ou silêncios) que aplacam o mal estar instaurando o bem querer – responsável e fraternal.

    márcia japiassú 

    Não conta pra ninguém 

    Segredar também é amar, é economizar a voz. Velar pelo silêncio do outro é sinal de confiança.  Manter o sigilo é manter o respeito. Guardar segredo revela lealdade – vem de uma escuta madura e responsável, vem de uma fala que pede apoio por precisar dele. É mais do que ouvir, é acolher o que ouviu; é parear seus ouvidos com o do outro para alinhar sua alma com este; é acomodar com a importância que te foi entregue e receber com o cuidado que merece. Isto pede por sabedoria, calma e entendimento; pede por treino e vontade mais compaixão.  Segredar não tem mistério, basta conter em si o que te ofereceram – a boa fé de alguém – um investimento confidencial.

    márcia japiassú 

     2021

    É sem fogos de artificio no céu que as estrelas e a lua darão um espetáculo nesta passagem de ano. Nada inédito. Todos os dias elas se apresentam a inúmeras pessoas. São a abóbada da terra – nosso templo – merecedoras de toda atenção. Debaixo delas estão todo o ecossistema e você, a quem dedico esta mensagem e convite. Te convido a analisar as expectativas costuradas a realidade que vivemos e a cortá-las com a esperança que emerge no avanço da ciência. Foi um ano difícil: enterramos muita gente, salvamos outro tanto; nos policiamos em cuidado pela vida; percebemo-nos vulneráveis, aprendemos a importância de uma escolha: ficar ou não isolados? Nos reinventamos! Foram milhares de vídeo chamadas, áudios e outros recursos usados para nos contactarmos. E com tantas lições não há como ficar sem refletir sobre nosso papel debaixo deste teto celeste; não tem como sermos excluídos da manutenção do mundo. Por tudo isto, desejo transformação e mudança – para um futuro incrível e, por assim urgir, um presente melhor (às multidões que habitam esta catedral esculpida pelo eterno, e desfalcada pelo efêmero, chamada natureza). Que as nossas vidas sejam instrumentos de paz e não de caos; e que você tenha dois mil e vinte um motivos para sorrir agora e sempre.

                                                    márcia japiassú